quinta-feira, 26 de junho de 2008

No CIP: Jornalismo Comunitário

video

Texto produzido na oficina por todos os alunos do turno da tarde.
Fotos com familiares e amigos

Brasileiro, um produto descartável?

Hoje em dia, podemos observar em nossos meios de comunicação que o Brasil está se tornando uma má influência, em termos de segurança e infra-estrutura. Se o Brasil continuar assim, onde o nosso povo vai parar? Pais matam filhos, escândalos envolvem famosos. Brasil, que país és tu?
O que adianta, o brasileiro querer mudança, sem cooperação. Pessoas passam fome, enquanto outros jogam alimento fora. Outros têm muito, e outros não têm nada. A justiça tem que ser feita, mas ela se esconde.
A revolta está dentro de cada um de nós, pois queremos um Brasil com igualdade e determinação, para sermos mais lembrados, em termos de infra-estrutura e educação. Ninguém gosta de viver em um lugar onde os governantes, não se dão o respeito de ajudar a população que precisa de uma melhor vida, e acompanhamento na área de saúde.
Hospitais públicos não têm mais lugar para atender pacientes, colocando-os nos corredores, como se fosse lixo descartável. Somos julgados como uma classe inferior, só por que não andamos em Mercedes Bens e não usamos roupas de grife. Somos um povo com muito orgulho, pois temos esperança que o nosso Brasil vai mudar.
Entre outras mil, és tu, Brasil, ó pátria amada! Competência e muita luta, para que as coisas melhorem.

Texto: Diego de Souza

domingo, 15 de junho de 2008

A Justiça tarda, mas não falha?

Muitos devem perguntar-se “por que a justiça tarda, mas não falha?"
A resposta é curta e simples. É só olharmos ao redor e veremos: a violência que causa a morte de inocentes, onde vemos pais matando os filhos, ou os mesmos matando os pais. Há algum tempo, se ocorresse uma fatalidade assim as pessoas se revoltavam. Hoje para muitos é normal ouvir que alguém morreu.
As pessoas estão acostumadas com as barbaridades que estão acontecendo. É por isso, que, muitas crianças e adolescentes estão se envolvendo nos crimes. A Justiça não se importa em fazer nada para mudar, ou se tenta, não percebemos, pois a chamada: Justiça é tão lenta que cansamos de esperar.
Passam-se anos e anos, e se algum caso não for arquivado, depois de muito tempo o júri volta a falar, ao escutarem a notícia as pessoas revoltam-se novamente, por que não acreditam que “os poderosos” não tenham resolvido nada.
Conforme a constituição, toda pessoa tem direito á vida, á liberdade e á segurança pessoal. Mas pelo que podemos observar não acontece, uma vez que, estamos presenciando mais mortes em vez de liberdade. Assistimos pessoas inocentes, trabalhadoras, com uma vida digna serem presas. Em vez de segurança, temos nossas casas invadidas por ladrões, indivíduos que por algum motivo estão roubando e mesmo assim não são presos. Pergunto a você leitor, se você como cidadão acha que: a Justiça tarda, mas não falha? Olhe a sua volta e verás a resposta clara.


Texto Joelma Cavalheiro

terça-feira, 10 de junho de 2008

domingo, 8 de junho de 2008

Dica de beleza


Para a próxima estação a maquiagem vem com um visual marcante. Embalada pelas cores fortes, elas tendem aquecer com as misturas de cores. Esta será uma fase de mesclar tonalidades e texturas. O vermelho forte, laranja, dourado e violeta vêm com força total, dando vida à maquiagem.
O outono/inverno sempre foi um pouco sisudo, mas de um tempo para cá começou a ter cores mais vivas. A mulher que tem medo de usar cores fortes pode fazer uma maquiagem natural, mais neutra, e trazer apenas um toque, como uma sombra turquesa, sem comprometer. Como tem muita coisa acontecendo em termos de tendência, escolha uma e incorpore no seu estilo, brinque com ela e faça do make um acessório.
O delineador é um item em alta. Ele pode vir em preto, roxo ou azul marinho, com um traço mais reto e gráfico, não tão fininho como se costuma usar. A sombra branca volta, em um tom off white, mais próximo do bege, atuando como um iluminador no canto interno da pálpebra. E por falar nisso, o blush perde um pouco seu espaço para o pó iluminador, ressaltando a naturalidade da pele. A coisa mais importante é lembrar que a maquiagem de um desfile é muito teatral, você não tem que sair exatamente igual a modelo.

Texto: Elizabeth dos Santos



quarta-feira, 4 de junho de 2008

Agora que são elas!

As mulheres vêm adquirindo seu espaço na sociedade desde que conquistaram o direito de votar. A partir deste momento, evoluíram, tanto no modo de pensar, quando no modo de agir. Além de cuidar da casa e das crianças, elas conseguem dedicar-se à vida profissional. Conhecidas na adolescência como CDFs, no mercado de trabalho sofrem preconceitos quando se fala em assumir a liderança. Mesmo assim, não desistem, pois querem alcançar seus objetivos.
Elas têm simplicidade, são mulheres que vivem para a família, para o trabalho, arrumam tempo até para se cuidar, pois estão conquistando tudo o que querem. São pessoas que respeitam e que valorizam uma boa amizade.
Mulheres que a cada dia aprendem um pouco: com os filhos, com o emprego, sobre a beleza. Nenhuma mulher sai de casa sem nenhuma maquiagem. Por isso, sentem-se melhor, de bem com a vida. Enfim, bem humoradas. Elas são verdadeiras rainhas. E, muitas vezes, são desrespeitadas por seus parceiros, porém nunca perdem a majestade. Com atitude, são responsáveis e sempre estão dando a volta por cima.
São guerreiras e enfrentam obstáculos. Elas não brigam, conversam. Sempre inventam uma comidinha diferente, um estilo próprio ou até mesmo uma dieta. São mulheres magníficas que, dia após dia, buscam a perfeição.
Porque agora que são elas!

Texto: Joelma do Santos